quarta-feira, 22 de março de 2017

QUADRINHOS S.A. 15 anos - um depoimento ilustrado (Rafael Grasel)

Olá.
No momento em que escrevo, é dia 22 de março. No dia anterior, tivemos efeméride no setor dos quadrinhos independentes brasileiros: o Núcleo de Quadrinhistas de Santa Maria – RS, Quadrinhos S. A., completou 15 anos de existência.
Hoje, o Quadrinhos S.A. não existe fisicamente: seu escritório e ponto de reuniões foi desativado, e vários integrantes estão dispersos, vivendo em outras cidades, produzindo material no seu ritmo e no seu modo. Mas o grupo, enquanto grupo, continua promovendo suas atividades à distância.
Eu, Rafael Grasel, sou um dos membros que atualmente se encontram longe de Santa Maria – RS. Continuo atuando como desenhista, embora atualmente não tenha publicado trabalhos em veículos de imprensa. Minha atuação continua restrita à internet, através de meus quatro blogs (Estúdio Rafelipe, Blog da Letícia, Blog dos Bitifrendis e Blog do Teixeirão) e uma ou outra publicação independente, inclusos aí os gibis do Benjamin Peppe. Porém, continuo produzindo – e dando sinais de vida, de produção.
Bem. O Quadrinhos S.A. foi fundado em 21 de março de 2002. Eu entrei em 2003, mais de um ano depois, não me lembro agora em que mês eu procurei o pessoal e me associei. Na ocasião, o grupo se reunia em uma sala emprestada da Casa de Cultura de Santa Maria, local que antes era referência em promoção de eventos culturais. O presidente da associação ainda era Jorge Ubiratã da Silva Lopes, o Byrata, o criador do Xirú Lautério. Do grupo, já participavam: além do Byrata, Marcel Jacques, Al Mário (Mário Luís Trevisan), Bício (Fabrício Réquia Parzianello), Alex Cruz, Milton Soares, Antônio Mello, Carlos Gomide, Kiko Paim, Frank (Franklin Carvalho Neto) e Gabriel Cóser. Esses, os membros que mais compareciam às reuniões semanais. O grupo ainda contava, como membros, com Máucio, Elias, Jéssica e Jerônimo Strehl. Byrata, Antônio Mello e Milton Soares eram, então, os membros mais “famosos”: Byrata já tinha uma longa atuação como escritor, quadrinhista e cartunista, já havia editado, ao lado de Máucio, Elias e Orlando Fonseca, a revista Garganta do Diabo; Antônio Mello já escrevera roteiros para diversos personagens brasileiros publicados em revistas independentes, como a Brigada das Selvas de Aelias; e Milton publicava as tiras do personagem Trava no jornal Diário de Santa Maria. Os outros membros ainda eram ou iniciantes, ou simplesmente entusiastas da Nona Arte.
O grupo já havia lançado o número 0 de sua publicação principal, a Quadrante X, sua principal vitrine dos associados. Foi em maio de 2003. Pouco depois, entrei. E a tempo de participar da Quadrante X no. 1, em novembro do mesmo ano. Na época, eu, natural de Vacaria, RS, iniciava o curso de História na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). E foi na Quadrante X que dei vida ao personagem Teixeirão.
O fim das tardes de sexta-feira, na Casa de Cultura, eram religiosos para mim: estava sempre presente às reuniões, mesmo com o pequeno comparecimento de membros em alguns dias – às vezes, só o Marcel aparecia na sala, às vezes só o Alex, etc. Presenciei a mudança da sala – na mesma Casa de Cultura, ganhamos uma nova sala de reuniões, menos espaçosa que a outra, mas nossa, afinal; onde pudemos instalar a nossa gibiteca, crescente a cada instante. Assim como os outros membros, deixei desenhos meus nas paredes dessa sala, à guisa de enfeite.
Presenciei colegas desenhando, e páginas de quadrinhos nascendo pelas mãos de diversos membros. Presenciei Marcel Jacques desenhando suas histórias; presenciei Alex Cruz dando vida ao Capoeira Negro, o principal herói da Quadrante X. Ouvi muitas histórias dos veteranos Antônio Mello e Kiko Paim sobre o quadrinho brasileiro no século XX – eles viveram boa parte dessa história, principalmente Seu Antônio, roteirista de HQs veterano e que mantinha contato com gente “graúda” no meio. Recebi muitos conselhos dos mais velhos, principalmente do Byrata, do Máucio, do Jacques – e os apliquei ao meu trabalho, daí em diante.
Evoluí em meu traço de infância, incorporei novas ideias ao meu próprio trabalho, passei a me interessar mais pela história das HQ, por desenhistas clássicos, e pelo quadrinho brasileiro em geral. Mas também fui muito editado, muitas vezes sem que me comunicassem – textos e desenhos meus eram alterados, desfigurando as ideias iniciais, e tive de me submeter às regras de ter de desenhar as páginas sem o texto, e ver depois textos e balões feitos no computador. Mas tudo bem.
Folheei e li quase tudo o que foi depositado na gibiteca. Praticamente um rato de gibiteca. Participei de exposições temáticas, de eventos de quadrinhos e de noites de autógrafos, promovidos pelo Quadrinhos S.A.. Presenciei o pessoal lançando obras próprias: Marcel Jacques lançando um livro solo do Mestre Zen Noção; Bício dando vida aos The Formosos e aos Bobonecos; e Alex Cruz lançando dois números solo do gibi do Capoeira Negro. Presenciei os momentos de crise (o momento mais tenso foi a produção da Quadrante X # 6, entre setembro e outubro de 2005) e de prestígio. Ajudei a vender Quadrante X. Presenciei a mudança pela qual a revista passou: depois do número 6, a Quadrante X passaria a ser lançada anualmente, na Feira do Livro de Santa Maria, onde dava mais saída.
Também publiquei charges e tiras na página que o Quadrinhos S.A. passou a manter no caderno Teen do jornal A Razão, de Santa Maria, às quintas-feiras, a partir de 2006. Foi ali que minha personagem Letícia estreou na forma impressa. Ali, Jacques também deu seguimento ao seu personagem Lenis. Também publiquei charges e ilustrações editoriais no jornal Conta Corrente, do Sindicato dos Bancários de Santa Maria, entre 2006 e 2007, assim como os outros membros.
Presenciei, com o pessoal do Quadrinhos S.A., o nascimento do evento Cartucho – Encontro de Cartunistas Gaúchos. Tomei muito café com o pessoal. Também consegui alguns trabalhos remunerados relacionados a desenho e cartunismo. Firmei uma parceria com uma turma que promovia campanhas de prevenção da AIDS e DSTs. Tive trabalhos impressos em folderes educativos. Tive fãs. Promovi até minha própria oficina de quadrinhos, com a anuência do Quadrinhos S.A. – em paralelo às oficinas que os outros membros promoviam.
Recebíamos visitas de gente realmente interessada em nosso trabalho, entre repórteres e simples entusiastas, e seus familiares. As reuniões eram sempre marcadas com gritos, insultos, piadas, discussões sobre cultura pop.
Recepcionei e ajudei a recrutar novos membros, efetivos e honorários. Quando ainda estava em Santa Maria, o Quadrinhos S.A. recebeu as adesões, entre outros, de Guilherme “Guiga” Hollweg e Marcel Ibaldo – daí por diante, as coisas não seriam mais as mesmas. Ibaldo, que eu convidei pessoalmente, foi o principal artífice, ao lado do Jacques, da mudança pela qual a Quadrante X passaria. O décimo número da Quadrante X, lançado em maio de 2009, marca uma transição, do amadorismo entusiasta dos primeiros tempos para o profissionalismo de quem quer impressionar o mercado brasileiro. Foi na Quadrante X # 10 que estreei mais um grupo de personagens, os Super-Anões. Porém, três aventuras depois, eles estão há um tempo sem dar as caras – eles tiveram um fim trágico na Quadrante X # 12, de maio de 2012 – seu mundo acabou, enquanto o nosso prossegue. Daí em diante, a Quadrante X, a partir do número 13, só traria histórias fechadas, autocentradas e sem os personagens consagrados.
No entanto, em 2008, tive de voltar para Vacaria. Só deu tempo de comparecer ao lançamento da Quadrante X # 9, em maio de 2008 (o último número onde o Teixeirão saiu impresso), daí por diante, as colaborações deveriam ser todas à distância. E a impressão que ficou é que, após minha saída, as coisas começaram a melhorar para o Quadrinhos S.A.: o pessoal estava se divertindo em mais exposições, eventos (como os notórios cineclubes, dedicados fundamentalmente à exibição de adaptações de HQ para cinema) e lançamentos de material, e eu não estava presente. Não estava mais lá para recepcionar os novos membros, efetivos e honorários do Quadrinhos S.A., como Felipe Bernardi, Henrique Madeira, Greice Pozzatto, Fernan Pires, Alexandre Menezes, Márcio Baraldi e Bira Dantas. Mas eu conseguia comparecer, uma vez por ano, para os lançamentos de novos números do Quadrinhos S.A., sempre na Feira do Livro de Santa Maria.
Foi com consternação que fui presenciando, à distancia, o lento desmonte da parte física do Quadrinhos S.A.: dispersão dos principais membros, que agora só se reúnem pessoalmente de vez em quando; descaso das autoridades, tempestades e alagamentos que trouxe graves danos à sala na Casa de Cultura – aliás, na Casa de Cultura como um todo. A gibiteca teve de sair da sala danificada. No final, o Quadrinhos S.A. agora só existe virtualmente. Reunindo-se e trocando ideias pelas redes sociais, e agora, em sua mais nova empreitada, um canal do YouTube. Mesmo assim, nunca deixamos de editar e lançar Quadrante X: o último número, o 16, foi lançado em dezembro de 2016 na Comic Con Experience (CCXP) em São Paulo. O primeiro, desde o número 1, em que não colaborei com HQ.
Agora... o que o futuro reserva para o Quadrinhos S.A.? O que seus membros estarão fazendo nos próximos 15 anos? Ainda estarão atuando com desenhos? Crescerão e passarão a se dedicar às atividades “caretas” para garantir o sustento que, infelizmente, o quadrinhismo ainda não pode trazer? Manterão a produção de HQs e cartuns como hobby? Haverá ainda Quadrante X? Eu ainda me coloco na posição de observador desses próximos rumos, enquanto continuo desenhando, mesmo sem razão, publicando na internet enquanto ainda puder pagar por ela. Continuo dando vida às minhas ideias malucas. Continuo observando o avanço da cultura pop.
O que espero é que os outros membros do grupo também continuem desenhando, continuem dando sinais de vida na internet, continuem mostrando que aqui no Brasil ainda existe gente que sabe desenhar e traduzir seus ideais pictoricamente.
É isso o que tinha para dizer.
Parabéns, Quadrinhos S.A.. 15 anos.

E até mais.

P.S.: vejam no blog Estúdio Rafelipe (https://estudiorafelipe.blogspot.com.br/) um conteúdo inédito para o mesmo texto...

Nenhum comentário:

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.